Bambu: da biologia à construção e versatilidade

Você sabia que o bambu pode ser utilizado para diversas aplicações? De utensílios domésticos e itens de decoração, a tubos para condução de água e estrutura de construções e até mesmo como alimento!

Bambu: biologia e abundância 

Classificado como uma gramínea, o bambu é uma planta que prospera com facilidade em uma ampla gama de climas. É possível encontrá-lo em várias partes do mundo. Desde terras baixas às altitudes mais elevadas; das regiões áridas à tropicais. 

Assim, não é de se espantar que, segundo o livro Bambus no Brasil: da biologia à técnica, existem mais de 1.300 espécies de bambu no mundo. No Brasil, é possível encontrar cerca de 200 espécies diferentes, sendo o país com mais ocorrência nas Américas. Uma das maiores florestas nativas de bambu do planeta está na Amazônia. 

Por conta do seu sistema de rizomas, o bambu é excelente para proteger o solo. Mesmo após a colheita, o sistema permanece intacto. Isso ajuda a impedir erosão, preserva a umidade vital do solo e ajuda a reter nutrientes. 

O bambu é uma planta conhecida e utilizada pelo homem há milênios. Existem sítios arqueológicos no Equador que mostram que o bambu já era utilizado há cerca de 5 mil anos na América do Sul pelos indígenas locais. Além dos usos do cotidiano, hoje ele ganha destaque pela sua sustentabilidade.

 

 

A versatilidade do bambu

Após a colheita, praticamente todas as partes da planta podem ser utilizadas. Os usos são os mais diversos. Com bambu é possível fazer mobiliário, telhas, portas e janelas, papel, piso, utensílios de cozinha, objetos de decoração, embarcações, drenos, carvão, fibras etc. No Oriente, é comum até comê-lo. Nas Filipinas, por exemplo, o broto de bambu é comumente servido com leite de coco e temperado com ervas apimentadas.  

A versatilidade do bambu não é novidade. O escritor-viajante do século XIX, William Edgar Geil, escreveu um livro no qual conta sua viagem de Shangai até o centro do Império de Burma (atual Myanmar) chamado A Yankee on the Yangtze. Nele, ele relata:

“Um homem pode acomodar-se em uma casa de bambu sob um teto de bambu, em uma cadeira de bambu a uma mesa de bambu, com um chapéu de bambu em sua cabeça e sandálias de bambu em seus pés. Ele pode, ao mesmo tempo, ter em suas mãos uma tigela de bambu, e em outra mão pauzinhos de bambu, e comer brotos de bambu. Quando ele terminar sua refeição, que foi cozida em fogo de bambu, a mesa pode ser lavada com um tecido de bambu, e ele pode abanar-se a si próprio com um leque de bambu, tirar uma siesta em uma cama de bambu, deitado sobre uma esteira de bambu. Seu filho pode repousar num berço de bambu, brincando com um brinquedo de bambu. Ao levantar-se ele fumaria um cachimbo de bambu e, com uma caneta de bambu, escreveria em papel de bambu, ou transportaria suas coisas em uma cesta de bambu suspensa por uma vara de bambu, com um guarda-chuva de bambu sobre sua cabeça. Ele pode então fazer uma caminhada sobre uma ponte suspensa  de bambu, beber água de uma concha de bambu, e coçar-se com uma raspadeira de bambu”.

 

Bioconstrução: o bambu como material construtivo 

É sabido que a construção civil convencional causa grande impacto ambiental. Isso se dá principalmente pela escolha dos materiais utilizados. Nesse contexto, o bambu se apresenta como uma alternativa de excelente custo-benefício.

Uma construção feita de bambu tem várias vantagens para o meio ambiente. A começar, o bambu é capaz de captar grande quantidade de CO2 do ar e seu cultivo não adiciona substâncias químicas. É também um material renovável de rápido crescimento. Algumas espécies chegam a crescer 1m por dia. E, quando uma haste é cortada, outra nova rapidamente começa a crescer no lugar. 

Construção do Ibuku, em Bongkasa, Bali

Além disso, o bambu é um material resistente e prático. Segundo Elora Hardy, fundadora da IBUKU (uma das principais empresas de pesquisa e projeto de bambu no mundo), ele tem a mesma resistência de tração que o aço e a mesma força de compressão que o concreto. Isso garante a sua versatilidade formal e estrutural. Por ser um material leve, seu manuseio e transporte são mais fáceis, reduzindo tempo de obra. 

A construção com bambu também traz o conforto térmico necessário. Para países tropicais como o Brasil, é importante construir espaços com estruturas leves para permitir a circulação de ar adequada. Assim, tem-se uma construção que leva em conta o cuidado com a natureza e as pessoas, além de ser esteticamente agradável.

Preste atenção na praça da sua cidade, na cerca do seu vizinho. O bambu está por toda parte. E o veremos cada vez com mais frequência. Estudos e pesquisas nas mais diversas áreas sobre essa planta estão se desenvolvendo. Viva sua abundância, resistência e versatilidade! 

Escrito por Ana Carolina Medeiros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *