Limpeza ecológica que respeita a saúde de seu bebê!

A escolha testada e aprovada de produtos hipoalergênico para sua casa!

Quando nasce um bebê, nascem pais e nasce um novo mundo de ansiedades e dúvidas! Meu marido e eu já éramos convencidos do uso de produtos de limpeza ecológicos, menos agressivos para a nossa saúde e menos impactantes em relação ao meio ambiente. Quando o nosso filho nasceu, há quase 8 meses atrás, continuamos com essa consciência ainda mais reforçada. Porque alimentar ele de produtos orgânicos, vestir ele de roupinhas confeccionadas a partir do algodão orgânico, se for para limpar todos os objetos em contato com a pele ou a boca dele com produtos químicos agressivos?

Decidi compartilhar com você a nossa rotina de limpeza ecológica para as roupas, o quarto, a cozinha e o apartamento em geral. Vale mencionar que realmente seguimos essa rotina nós mesmos e podemos prometer que é da mesma forma como vou descrever, já que escolhemos não ter ajuda mesmo depois que o nosso bebê nasceu.

1 – A saúde dos bebês, a importância de limitar os produtos químicos agressivos

     a) A pele muito sensível e delicada dos bebês

Os bebês, e particularmente os recém-nascidos, têm uma pele mais fina e sensível em comparação à nossa pele de adulto. Ela é muito frágil e absorve mais as substâncias e elementos químicos que entram em contato com ela. Ela também serve como um importante regulador térmico e necessita estar coberta conforme as condições de frio e umidade.

Por causa dessas características é sempre melhor privilegiar elementos naturais e orgânicos para estar em contato com a pele das nossas crianças.

     b) Os bebês engatinham e colocam tudo na boca

Além da delicadeza particular da pele dos bebês, o organismo deles ainda está em construção e é mais sensível aos ataques de vários micro-organismos (bactérias, vírus, fungos etc.). Precisamos preservar os recém-nascidos do contato com microorganismos perigosos e ao mesmo tempo preservar o delicado equilíbrio da própria microbiota natural do corpo que nos ajuda a viver. E precisamos cuidar disso levando em conta que nossas crianças pequenas estão descobrindo o mundo pela boca e engatinhando por todos os lados!

  c) A poluição do ar e as consequências na saúde

Os produtos químicos de limpeza liberam elementos químicos no ar (Volatil Organic Compounds ou VOCs), que se combinam com outros componentes naturais e criam ozona ou partículas finas criando poluição do ar que pode causar problemas respiratórios e doenças pulmonárias e cardíacas.

2 – Lavanderia: os cuidados e limpeza ecológica e hipoalergênica das roupas de seu bebê

     a) Os materiais naturais das roupas de bebês

Para respeitar ao máximo a delicadeza da pele dos recém-nascidos, e não impedir o regulamento térmico natural dele, é recomendável privilegiar roupas de fibras naturais: algodão, lã, bamboo etc. As malhas e tecidos constituídos de fibras naturais são naturalmente respiráveis e ajudam na regulação térmica, tanto para isolar o bebê do frio quanto para ajudar a esfriar no calor. Evite ao máximo as roupas compostas de poliéster pois sufocam a pele e fazem o bebê transpirar de forma inadequada.

Além da composição de fibras naturais, é recomendável escolher fibras orgânicas, como o algodão orgânico. O algodão convencional é responsável pelo maior uso de produtos químicos agrícolas no mundo, enquanto o algodão orgânico é livre de pesticidas e inseticidas. O algodão orgânico é melhor para o seu bebê e para o planeta. Todas as roupas da Timirim são 100% de algodão orgânico e as malhas são de algodão pima orgânico (O algodão Pima é o mais macio que existe, assim como o algodão egípcio, devido ao diferencial de possuírem fibras de cumprimento maior.).

A escolha de fibras naturais para suas roupas também tem um efeito ambiental positivo na sua rotina de limpeza, principalmente por evitar a liberação de micropartículas de plástico a cada lavagem, diferentemente do que ocorre com quaisquer fibras sintéticas. Esses microplásticos soltados na água de lavagem são tão pequenos que eles não podem ser filtrados pelos sistemas de tratamento de água e têm como destino os rios, mares e oceanos, poluindo todos os ecossistemas aquáticos e a cadeia alimentar global, que termina na nossa alimentação (e dos nossos bebês!). Estima-se que consumimos 5 gramas de plástico por semana, o equivalente à uma tampa de garrafa.

 

 

     b) O cuidado desses materiais naturais e orgânicos

Como pais, uma das maiores preocupações que devemos ter consiste na escolha das roupas dos nossos bebês, levando em consideração a maciez delas.  Pelo fato deles terem uma pele muito delicada e preservada, instintivamente queremos embrulhá-los com têxteis muito macios. Para cuidar das roupas e preservar essa maciez enquanto preservamos a pele das nossas crianças, recomendo usar apenas produtos certificados, controlados e os menos agressivos possíveis, sem perfume e/ou amaciante.

Em casa, nós usamos dois produtos para lavar roupas que super recomendo: o sabão de cocô em pó o lava-roupa da Positiv.a. O sabão de cocô em pó é um produto super natural e comprovadamente eficaz. Ele é neutro e sem cheiro, totalmente hipoalergênico. Também, gostamos muito do lava-roupa da Positiv.a, tanto para as nossas roupas, quanto para as dos nossos bebês: ele é um lava-roupa líquido, 100% natural (você pode até reutilizar a água nas plantas!), totalmente hipoalergênico, que dispensa o uso de amaciante. Na minha família, temos uma pele muito branca e frágil, sujeita à irritação e esse produto protege a minha pele e a do nosso bebê. Lavamos todas as fraldas ecológicas e os absorventes dele com esse produto desde o nascimento.

Além do lava-roupa, é preferível lavar as roupas de seu bebê em redes protetoras, com ciclos que não esquentam a água mais do que 40 graus (30 é o recomendado para maximizar a vida útil) e com uma velocidade de centrifugação de menos de 1000 rotações/min (recomendo 800). Também é melhor não usar máquina para secar as roupas de malha para preservar a forma e a vida útil.

     c) A importância da roupa de cama e das toalhas de banho:

É essencial não esquecer das roupas de cama, já que os recém-nascidos passam a maior parte do tempo dormindo, em contato com os lençóis. Todos os aspectos que mencionei em relação às roupas também se aplicam às roupas de cama e toalhas de banho. É necessário lavar os lençóis, saco de dormir e cobertor com frequência, mesmo se não tiver cheiro ou sujeira aparente. Recomendo uma vez por semana.

 

3 – Limpeza do apartamento e do quarto do bebê, o exemplo de um quarto de bebê Montessori

     a) O quarto Montessori e as consequências para a limpeza

Vou falar do exemplo do quarto Montessori, porque seguimos essa filosofia no quarto do nosso filho. E isso implica um cuidado ainda maior em relação à limpeza. A filosofia de pedagogia Montessori merece muitas explicações de especialistas então não vou falar muito sobre isso aqui, mas o bebê pode sair de cama livremente e brincar no quarto dele sem supervisão.

No quarto do nosso bebê, o meu marido construiu uma cama em forma de barco, próxima ao chão e com uma porta de abertura para ele poder sair da cama sozinho. Então não há nada perigoso para ele no chão do quarto e tem um tapete reforçado com um edredom ao lado da cama, para ele não correr o risco de bater se cair sem controle. Nós colocamos o nosso filho nesse quarto e na cama dele no quinto mês de vida. Ele foi diretamente do bercinho ao lado da nossa cama para essa cama no quarto dele.

Esses quartos livres de acesso para o bebê impõem um cuidado ainda maior em relação à limpeza porque o bebê fica livre para explorar o quarto sozinho e dessa forma manipular, experimentar e lamber tudo que fica ao alcance dele.

b) Todos os aspectos a considerar quando limpar um quarto de bebê, o modelo a seguir para a casa toda

Como o bebê vai poder manipular e experimentar tudo no quarto Montessori, temos que estar bem atentos à limpeza. Mas também aos produtos que usamos para limpar. Esse padrão muito alto de cuidado deveria ser o paradigma a ser seguido em toda a casa. Já que rapidamente o bebê vai engatinhar e explorar, se apegando em lugares onde normalmente ninguém presta atenção na poeira…

O bebê vai encostar lá com a roupa, a pele e geralmente com a boca aberta também. Nos primeiros meses, antes de usar as mãos, o bebê usa a boca e a língua para conhecer os objetos. É muito importante considerar que além de tirar a poeira, a limpeza das superfícies deve ser feita com produtos que não irritem a pele, nem serem tóxicos.

Recomendamos limpar o chão da casa pelo menos uma vez por semana (se tiver pets essa frequência deve aumentar por causa da pele e da sujeira deixada por eles). E arejar todos os ambientes diariamente por pelo menos 15 minutos. Arejar bem é a base dos bons costumes sanitários em casa.

c) Os poucos produtos de limpeza ecológicos realmente necessários

Hoje em dia, o marketing dos produtos de limpeza em geral tem como objetivo incentivar a compra de uma enorme variedade de produtos. Sendo cada um muito específico para determinado tipo de limpeza (a cozinha, o banho, a sala, os vidros etc.). No entanto, a base de todos esses produtos geralmente é a mesma, mudando apenas a diluição e alguns coadjuvantes. Em casa somos a favor de usar os produtos mais naturais e básicos para tudo.

Compramos 5 litros do multiuso concentrado da Positiv.a, e temos os frascos auxiliares para realizar as diluições adequadas no chão, na cerâmica do banheiro, e nos vidros. Ele serve como desengordurante, desinfetante, removedor, vinagre, álcool e também para limpar vidros e inox e lustrar móveis. Além disso, tem um cheirinho gostoso e muito sútil de laranja. Assim nunca falta nada! Achamos essa solução muito boa para o bebê. Porque usando essa base para todas as suas utilidades, não precisamos pesquisar sobre a composição e toxicidade de cada produto individualmente. Sabemos que usamos um produto hipoalergênico e seguro.

 

d) Os produtos que devemos evitar usar!

Vou falar um pouco aqui dos produtos que não devem ser usados quando você convive com bebê ou crianças. E, idealmente, serem evitados de forma geral. Além de deixar de lado os produtos de limpeza muito agressivos, corrosivos e com produtos químicos perigosos, não use spray de perfume para o interior da casa. E evite ao máximo quaisquer aerossóis químicos com perfume ou contra insetos. Não use toalhetes de limpeza pré-impregnadas ou spray antipoeira. Pois todos esses produtos que supostamente servem para facilitar a limpeza são saturados de produtos químicos complexos e tóxicos.

 

4 – Limpar a louça para a família toda

     a) Os sabões e produtos mais ecológicos para lavar a louça do bebê

Lavar a louça é a limpeza mais frequente na rotina de uma família. Ainda mais quando você passa muito tempo em casa, como nos primeiros meses de seu bebê. É impressionante o quão rápido a louça suja se acumula! Além do impacto ambiental causado por conta da poluição gerada pela água suja, é importante pensar nos produtos de limpeza a serem usados levando em consideração tanto os químicos que podem ficar na louça (pensem nas mamadeiras e pratos de seus filhos!), quanto para evitar a irritação da pele de quem lava a louça.

Em casa nós usamos um sabão de coco em barra e o lava louças da Positiv.a. Alguns anos atrás eu tinha tentado usar o lava-louça deles, mas não gostava, porque não fazia espuma e era muito difícil de tirar as sujeiras oleosas. Mas felizmente soube da mudança de fórmula e voltei a experimentar, e hoje usamos apenas esse na nossa rotina. Além de ser sem fragrância, ele é biodegradável, não agride as mãos e é totalmente seguro para bebês, porque não deixa resíduos químicos na louça.

b) Esponja natural compostável

A escolha das esponjas e o uso correto delas também interfere na sanitização de seu ambiente. A esponja é propícia para a proliferação de bactérias.

Usamos a bucha vegetal da Positiv.a, produzida a partir do fruto seco da trepadeira Luffa Cylindrica. Ela é mais higiênica pois detém o crescimento de bactérias, e não danifica as suas panelas, além de não gerar resíduos por ser compostável. Eles comentam que dura aproximadamente 2 meses, mas confesso que usamos por 6 meses facilmente.

     c) A importância da secagem

Limpar a louça não para depois de ter tirado a sujeira. E isso é ainda mais relevante quando pensar na louça de seu bebê, incluindo as mamadeiras. É fundamental deixar a louça secar num lugar seco e arejado, em uma posição que impeça a acumulação de água por um tempo longo, o que poderia resultar em proliferação de bactérias depois da lavagem.

     d) O uso da água e a solução prática e ecológica da máquina lava-louça

Se você tiver um espaço físico adequado e recursos para adquirir uma máquina lava-louça, essa é a solução mais pratica e ecológica que existe atualmente. Pois usa muito menos água em relação à lavagem manual na pia. Em média, uma lavagem com um modelo de lava-louça consome apenas 12 litros de agua por ciclo, enquanto que a lavagem manual consome cerca de 90 litros, o que representa uma economia de 85%. Existem produtos específicos para lava-louça, como o da Positiv.a.

 

5 – O impacto ecológico dos produtos de limpeza

     a) O impacto dos produtos químicos na poluição do ar e das águas

O maior impacto dos produtos de limpeza convencionais está associado à poluição das águas e do ar. As águas sujas não são sempre tratadas. E mesmo quando são, algumas famílias de químicos não são filtradas e terminam nos rios e mares. Poluindo vários ecossistemas delicados e tendo consequências até na potabilidade da água. Também, como mencionado no início deste post, os VOCS (partículas químicas liberadas no ar), se combinam com outros componentes naturais. E criam partículas finas que geram poluição atmosférica. Por isso, é importante priorizar sempre os produtos naturais, tanto para a saúde da sua família, quanto para a preservação do meio ambiente.

     b) O lixo tóxico e os resíduos plásticos

É importante reduzir as embalagens de forma geral, mesmo as recicláveis e compostáveis. Uma embalagem boa é uma embalagem evitada. Essa máxima é ainda mais relevante quando se trata das embalagens e plásticos que contém produtos químicos mais agressivos. Lixo perigoso, por exemplo, não deveria ser jogado fora junto com os demais (água sanitária, soda cáustica ou produtos de limpeza muito agressivos), inclusive todos os aerossóis. Considerando o problema global da geração de resíduos e do tratamento desse lixo tóxico, devemos escolher as alternativas naturais, que geram bem menos embalagens.

A Positiv.a não apenas oferece produtos naturais, como também cuida em limitar ao máximo as embalagens. Privilegiando sempre as opções compostáveis (como a bucha vegetal), ou recicladas e recicláveis. Amo particularmente o sistema deles de oferecer frasco auxiliar a ser abastecido com a reserva de 5 litros (feita de plástico branco reciclado, o mais facilmente e eficazmente reciclado). Obviamente temos uma super conexão com eles já que eles têm um projeto cujo objetivo é cuidar do oceano, recuperando resíduos plásticos encontrados no mar para criar o plástico dos frascos ♥. Esse cuidado e essa consciência de atuar para diminuir a poluição plástica dos oceanos tem tudo a ver com o meu amor pelo mar que levou a Timirim a desenvolver uma coleção específica do tema Oceano, com as estampas criadas pelo artista J. Borges.

 

Bônus: Fazer os seus próprios produtos!

Quando se trata de produtos de limpeza mais naturais e ecológicos, naturalmente surge a ideia de fazer os seus próprios produtos. Acho muito interessante isso, principalmente o uso generalizado do vinagre branco. Mas ATENÇÃO, deve-se tomar EXTREMO CUIDADO quando seguir receitas -sempre comprovadas-. Pois se forem misturadas de forma errada podem se tornar muito perigosas. Como por exemplo a água sanitária misturada com vinagre, que cria um gás potencialmente mortal. Além disso, deve-se identificar muito bem e claramente os recipientes usados para evitar acidentes domésticos, especialmente quando tiver crianças no apartamento.  Tente sempre usar recipientes adequados ou de vidro para evitar reações entre os produtos e o recipiente.

SEMPRE COLOCAR TODOS OS PRODUTOS DE LIMPEZA, INCLUSIVE OS MAIS NATURAIS E ECOLÓGICOS, FORA DO ALCANCE DE BEBÊS E CRIANÇAS.

 

Conclusão: Esses produtos são melhores não apenas para os bebês, mas também para a família toda.

A chegada de um bebê pode ser um momento propício para mudar seus hábitos de limpeza para sempre. As alternativas mais ecológicas e sustentáveis não são menos práticas. Pelo contrário, permitem simplificar processos e reduzir a quantidade de produtos diferentes que não são necessários. Isso sem contar o alívio em saber que suas crianças vão crescer num ambiente saudável e seguro.

Abraço verde,

Ninon Daunis, co-fundadora e diretora da Timirim

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *